+BIO #8 – Plantas Aptas a Alterações Climáticas

As alterações climáticas levaram ao aparecimento de períodos de muito calor e seca extrema. A agricultura enfrenta assim problemas tais como a perda de culturas ou falhas na germinação por alteração drástica das condições do meio. Estes problemas podem ser facilmente resolvidos através da criação de variedades de sementes que gerem a água disponível mais eficientemente, tornando-as menos sensíveis ao calor e seca.

Na Universidade Julius – Maximilians Würzburg o Professor Rainer Hedrich e o Dr. Peter Ache estão a conduzir um estudo para determinar os triggers biológicos da cevada que desencadeiam a gestão da água na planta durante os dias secos e quentes. 

O objetivo do grupo de investigação não é alterar geneticamente as plantas. 

“Our goal is not to genetically modify plants; rather we want to help breeders to selectively identify the desired properties in their existing varieties using the marker genes.”, explica Peter Ache.

Os primeiros testes de campo foram feitos para selecionar variedades de cevada de entre 100 linhagens de sementes, que são particularmente tolerantes e sensíveis ao stress. Após identificar os possíveis genes relacionados com a tolerância ao calor e seca, os investigadores tencionam torná-los disponíveis às empresas envolvidas para que estas possam fazer seleção de sementes.

Este grupo de cientistas tem vindo a estudar o mecanismo de armazenamento de água nas plantas, nomeadamente o mecanismo de abertura e fecho dos estomas. Os estomas encontram-se nas folhas das plantas e regulam a perda de água conforme as condições do meio. Em condições de calor e seca as plantas encaram um dilema dado que quando a temperatura é elevada, preferem abrir o estoma e libertar água por evaporação, mas quando o ambiente é seco, estas preferem reter água e mantêm assim os seus estomas fechados.